Cibersegurança jurídica: protegendo dados confidenciais de clientes

De acordo com a FortiGuard Labs, em 2023 o Brasil registrou 60 bilhões de tentativas de ciberataques. Embora o número seja inferior aos 103 bilhões detectados em 2022, o cenário ainda é de preocupação.

Cada vez mais sofisticados, os ataques cibernéticos são uma ameaça para empresas, já que têm o potencial de acarretar danos financeiros e à imagem corporativa.

Neste artigo, você verá quais os tipos mais frequentes de ciberataques e o que fazer para proteger a sua empresa. Continue lendo!

O que é cibersegurança?

É uma ação que visa proteger redes, dispositivos móveis, servidores e dados de ataques cibernéticos.

A cibersegurança é um importante recurso para empresas e escritórios de advocacia pelo seu potencial de proteção contra ataques maliciosos que afetam o funcionamento dos serviços, além de trazer outros transtornos.

Principais tipos de ataques

Ataques de phishing

Essa técnica consiste em enganar pessoas com o objetivo de obter dados pessoais. Geralmente, são enviadas por e-mail ou SMS, mensagens que parecem ser de fontes confiáveis, mas na realidade são falsas. Esses e-mails ou mensagens frequentemente contêm links que levam a sites falsificados, onde as vítimas são induzidas a inserir suas informações confidenciais.

O phishing é um dos tipos mais comuns e antigos de ciberataques, e vem sendo aplicado desde a década de 1990.

Ataques de malware

O malware refere-se a qualquer tipo de software malicioso desenvolvido para causar danos a um servidor, computador ou dispositivo móvel. Existem variantes de malwares, como vírus, cavalo de troia, adware (publicidade), spyware (espião) e ransomware (resgate de dados).

A empresa de softwares de segurança Kaspersky apontou que houve uma média de 411 mil malwares descobertos por dia em 2023, aumento de 3% em relação ao ano anterior.

Ataques de ransomware

O ransomware é um software malicioso que visa extorquir uma vítima por meio do sequestro de dados. Ao invadir o computador ou dispositivo, o ransomware criptografa os arquivos e os deixa inacessíveis. Desta maneira, os criminosos exigem o pagamento para que a vítima resgate o acesso aos seus arquivos.

Em 2023, o número de ataques por ransomware cresceu 50% só no primeiro semestre, segundo relatório da Allianz.

Ataques DDoS

No ataque DDoS (Distributed Denial of Service ou Negação de Serviço Distribuído, em português) múltiplos sistemas sobrecarregam um site ou serviço na internet com um grande volume de tráfego, excedendo sua capacidade de processamento e comprometendo seu funcionamento.

De acordo com relatório da NETSCOUT, o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking de ataques DDoS, com 10,3%. Os Estados Unidos lideram, com 26,5%.

Invasões cibernéticas na advocacia

Escritórios de advocacia também são visados por cibercriminosos, que enxergam os dados confidenciais dos clientes como oportunidade para extorsão.

No contexto jurídico, os ciberataques representam diversos riscos, a violação da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) é um deles. Além disso, os escritórios de advocacia que não investem em bons softwares de segurança também estão suscetíveis a roubo de identidade, propriedade intelectual, danos à imagem e, com isso, enfrentar prejuízos financeiros. 

Como se proteger?

Investir em tecnologias capazes de proteger informações sigilosas é fundamental em um cenário onde as invasões são frequentes. Confira abaixo os principais métodos de proteção adotados pelas empresas atualmente:

Antivírus e firewalls

Ambos os sistemas monitoram atividades em tempo real, identificando comportamentos suspeitos e fornecendo respostas rápidas a ameaças. A diferença é que o antivírus combate riscos internos já presentes ou tentando se infiltrar no computador, enquanto o firewall impede que ameaças externas acessem sua rede e dispositivos.

Backup contínuo e armazenamento em nuvem

Realizar backup regularmente garante que os arquivos importantes estejam copiados e armazenados em um local seguro, como a nuvem. Isso permite a rápida recuperação de dados em caso de ataques como ransomware, onde os arquivos locais podem ser criptografados ou destruídos.

Sistemas de criptografia

A criptografia torna os dados ilegíveis para qualquer pessoa que não tenha a chave de descriptografia, dificultando o acesso não autorizado por cibercriminosos. Essa ação reduz o risco de roubo de informações confidenciais e aumenta a segurança geral dos sistemas e das comunicações.

Treinamentos

Ao implementar cursos e treinamentos é possível conscientizar os profissionais a usar a internet de forma segura. Com todos entendendo sobre cibersegurança, identificar ameaças e saber agir diante delas torna-se mais fácil.

Todas as condições para garantir a cibersegurança ainda são desafiadoras para escritórios de advocacia e empresas de todo o mundo. Mas é fato que vale se adiantar e colocar em prática medidas de segurança para evitar danos com potencial irreparável.

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR DE:

Ser Humano

Nos últimos meses, tenho conversado bastante sobre o avanço da tecnologia no Direito, especialmente sobre

Rolar para cima