Conteúdo diversificado e interatividade tecnológica marcam abertura da 16ª edição da Fenalaw

Volume de visitantes supera todas as expectativas

“O uso de novas tecnologias como suporte no trabalho é um vetor para a edificação do que acreditamos. Temos o dever de compreendê-las em sua totalidade e aplicá-las de forma correta”. Esta foi mensagem de boas-vindas do presidente da OAB-SP, Caio Augusto Silva dos Santos, ao público que participa da  16ª Fenalaw, maior plataforma de conteúdo e de negócios jurídicos da América Latina, que teve início hoje (23) e acontece até sexta-feira (25), no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo.  


O presidente da Informa Markets, Marco Basso, deu início a plenária de abertura enfatizando a qualidade, o tamanho da feira e todos os aspectos que o evento oferece. “Eu gosto muito da Fenalaw porque é um evento bem especializado; eu não vejo eventos desse segmento com a magnitude dessa feira nas viagens internacionais que faço. Este é um amplo espaço para discussão, capacitação e interação”, disse. O CEO aproveitou também a oportunidade para incentivar os presentes a aproveitar o exclusivo networking e fecharem negócios.  


Convidado como keynote speaker, o jornalista Marcelo Tas - que é também ator, roteirista, produtor, apresentador e diretor de TV e um dos influenciadores mais premiados do país - falou na abertura da Fenalaw sobre a importância do relacionamento com as pessoas, algo essencial com ou sem tecnologia. “Estamos vivendo uma mudança humana. Quanto mais avançamos na era digital, mais são necessárias as relações humanas”, explicou. 


Tas apresentou os diferentes tipos de comunicação usada pelo homem desde o antigo Egito até as tecnologias atuais. Um dos pontos destacados por ele foi a chamada tecnologia disruptiva. “O segmento jurídico também passa por esta transformação que o digital e tantas outras inovações provocaram”, disse. Essas tecnologias estão na pauta de palestras dos três dias de Fenalaw, como: inteligência artificial, automação, blockchain, entre outros. 


Ele também falou sobre o uso consciente das redes digitais e do processo de aceleração que acontece dentro desse universo. “Tudo o que vai para rede é rastreável, as pessoas podem pegar o que você fala agora e comparar com o que você falou há anos. E tudo acontece muito rápido, é necessário ter atenção sempre”. O palestrante finalizou explicando que nenhuma tecnologia pode superar a capacidade humana de perguntar e ouvir. “Robôs não sabem fazer perguntas, então questionem, escutem e depois disso sigam uma direção”. 


Ainda na plenária de abertura o engenheiro e consultor Marco Lauria falou da importância da inteligência artificial no mundo de hoje. Lauria já foi consultor da IBM e responsável por fomentar a transformação digital dos clientes com soluções baseadas na tecnologia Watson.


O palestrante falou sobre as quatro revoluções industriais que tivemos até agora, sendo as duas primeiras baseadas na mecanização e linha de montagem e as últimas em computação e inteligência artificial. Segundo o consultor, a aplicação de inteligência artificial na economia terá um impacto mundial de até US$ 30 trilhões até 2030. 

Mindset: Como mudar a configuração do cérebro 
A segunda parte das palestras de abertura trouxe a consultora de palestras e treinamentos, Gaya Machado, que atraiu a atenção do público com a ideia de como configurar o cérebro para o sucesso. “Nós escolhemos a nossa programação mental (mindset)”, disse Gaya. 


A consultora explica que o ambiente atual de negócios que vivemos exige profissionais com habilidades de pensamento mais complexas e adaptativas. “As pessoas com mindset fixo acreditam que a inteligência é estática então se acomodam mais cedo e conquistam menos do que o seu potencial permite”. Para sair deste lugar fixo, segundo Gaya, é necessário desenvolver um mindset flexível, no qual buscamos novos desafios, alimentamos o desejo de aprender e persistimos na dificuldade. “São os desafios que fazem o cérebro buscar novas conexões neurais”. 


O VP Governance, Risk & Compliance da Vexia, João Carlos Orzzi Lucas, abordou a falta de preocupação das pessoas com a segurança dos seus dados pessoais que são entregues em cadastros físicos e online sem questionamento. Estamos acostumados a fornecer RG, CPF, endereço, impressão digital e fotográfica em nossas interações sociais, de trabalho e no comércio. 


A Lei Geral de Proteção de Dados só começa a valer em agosto de 2020, mas precisamos começar a perguntar desde agora para onde vão os dados pessoais que fornecemos todos os dias. “A proteção de dados não custa caro. O mais essencial é que o entendimento da importância de proteger os dados pessoais seja aplicado na cultura interna das empresas”.

 

Cenário Econômico no Brasil e as reformas tributária e da previdência 
Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos, palestrou sobre o atual cenário econômico do Brasil. Ela iniciou a conversa falando da importância de reformas tributária e previdenciária, e destacou que já é um avanço muito positivo a aprovação da reforma da previdência. "Demoramos mais de 20 anos para instituirmos uma idade mínima para aposentadoria, item muito importante para a economia. O Brasil esperava por um agenda fiscal, e a aprovação da nova previdência é a consolidação dessa agenda.", disse. A reforma permitirá a estabilização dos gastos da União com previdência como proporção do PIB, mas é necessário atenção para a inclusão de Estados e Municípios na reforma. Em 2018 a despesa previdenciária ficou em 14,6% do PIB. "Temos que monitorar a situação atual. O primeiro passo para reformas já foi dado, agora é hora de plantar para colher depois", explica Zeina. 

A palestrante também destacou a importância do investimento na indústria, setor que segundo dados apresentados por ela, apresenta uma estagnação de investimentos desde 2010. Latif também alertou para a necessidade de inovação, visto que o parque tecnológico brasileiro chega a ter uma defasagem de maquinário de quase 30 anos em relação a outros países.  


Novidades na oferta conteúdo
Neste primeiro dia de Fenalaw, a programação de conteúdo estreou três temáticas: 
Smart Class de Direito Digital e Inovação com a Patricia Peck - A sala ficou lotada de participantes que buscavam pôr em prática programas de inteligência artificial e entender de smart contracts e blockchain. A mentora da classe, Patrícia Peck, advogada especialista em Direito Digital, explicou que a atividade tem como objetivo proporcionar experiências mais palpáveis aos participantes.

Patrícia acabou de voltar dos Estados Unidos onde, por três semanas, participou de debates no Departamento de Estado Americano sobre os avanços na legislação para a regulamentação da atividade de inteligência artificial.


Mentoring Sessions by FSMA - Os consultores e mentores da Fábio Salomon Mentoring Academy (FSMA) e da Salomon Azzi organizaram uma mentoria de carreira jurídica exclusivamente para a Fenalaw. Fabio Salomon, que é um headhunter jurídico e mentor de carreiras, chamou a atenção dos participantes para a importância de diferenciação na carreira. O headhunter falou ainda sobre a necessidade de auto-confiança e de definição própria do seu perfil pessoal. "Nas redes sociais todo mundo quer ser diferente, já na vida real todos querem ser iguais. Não é por aí".

Salomon apresentou técnicas que utiliza para entender as características pessoais de cada um, como a teoria DISC por exemplo, que estuda a dominância, influência, cautela e estabilidade de um indivíduo. Segundo o profissional, algumas das competências organizacionais mais procuradas em uma entrevista são: tomada de decisão, liderança, gestão de tempo, orientação para resultado, entre outras. 


Seminário de Direito Público e Regulatório - Para a abertura do Seminário, o convidado a palestrar foi o senador Marcos Rogerio da Silva Brito (DEM-RO), presidente da Comissão de Serviços de Infraestrutura. O parlamentar destacou que o cenário atual é de ‘chamado’ do setor privado para o investimento no desenvolvimento da Infraestrutura no País. Mas, segundo o senador, para ‘convocar’ o setor privado, o Governo tem que voltar os olhos para as mudanças regulatórias e oferecer um ambiente baseado na segurança regulatória e contratual.

Como exemplo do potencial do investimento privado, o senador falou sobre o campo aeroportos. “Em 2017, dos R$ 970 milhões investidos em infraestrutura aeroportuária, 38% eram do setor privado. Já no ano seguinte, o investimento passou para R$ 2,14 bilhões sendo 77% de capital privado. O aporte de recursos do setor então passou de R$ 368 milhões para 1,647 bilhões em um ano”, ressaltou. 

Outro setor que experimentou a expansão com investimento privado foi o setor portuário com o marco regulatório que facilitou os investimentos e permitiu a movimentação de cargas de terceiros nos chamados Terminais de Uso Privado.

No setor de transportes rodoviário e ferroviário, o senador vê uma janela ampla para a participação de capital privado. Neste sentido, a Comissão de Serviços de Infraestrutura deve discutir na próxima semana a Projeto de Lei 261/2018 que permite a construção e operação de ferrovias pela iniciativa privada, estabelecendo no texto regras para o modelo privado e instruções para a chamada integração vertical. “A previsão é de que a PL seja votada ainda este mês”, afirmou.


Gestão do compliance na administração pública 
O compliance chegou ao Brasil há pouco mais de cinco anos em meio à caótica situação desencadeada pelos escândalos de corrupção e lavagem de dinheiro expostos pela operação Lava-Jato. A Lei Anticorrupção, sancionada em agosto de 2013, acelerou mudanças de compliance no mundo corporativo e agora também suscita o debate na administração pública.

No Seminário de Compliance que aconteceu hoje (23), o Marcelo Zenker, diretor de Governança e Conformidade da Petrobras falou sobre a questão. O órgão de Governança e Conformidade da Petrobras foi criado em 2014 - após os escândalos da lava-jato - para orientar e avaliar atividades incluindo a investigação e redução de riscos de fraude e de corrupção, reportando à administração as ações e os resultados. 

“No Brasil há 138 empresas estatais federais, em uma comparação rápida em países desenvolvidos como os Estados Unidos e Reino Unido, o número é de 16”. Zenker comentou que mesmo após o decreto nº 9203/2017, a lei passou a exigir a aplicação de um programa de integridade na administração pública federal direta, no final de 2018, apenas 54,8% das estatais tinham um programa de compliance formalizado.

Segundo ele, o cenário está mudando com alguns Estados brasileiros como o Espírito Santo, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso, Minas Gerais, Mato Grosso e o Distrito Federal que já avançam na tendência de implementação de sistemas públicos de integridade. 

Para Roberta Codignoto, vice-presidente no Instituto Brasileiro de Integridade Pública, a engajamento da sociedade é um dos pontos fundamentais para tornar mais efetiva a implementação de sistemas públicos de integridade. “Cada cidadão possui a tarefa de participar da gestão e exercer o controle social no gasto público. Um exemplo disso é o portal da transparência”, disse.

 


Feira movimenta negócios 
A feira de negócios da Fenalaw 2019 recebe nesta edição cerca de 80 marcas nacionais e internacionais que vão apresentar ao longo dos três dias de evento produtos, serviços e tecnologias voltadas para escritórios de advocacia e departamentos jurídicos. 

A Kurier apresenta o lançamento de um novo recurso da plataforma de jurimetria preditiva Kurier Analytics 3.0. “A plataforma conta com o histórico comportamental de toda a justiça brasileira. São cerca de 200 mil novos processos atualizados diariamente. O diferencial nesta versão 3.0 é a inclusão da visão comportamental dos processos julgados em 2ª instância e também o aprofundamento na análise dos dados com opções de filtros que podem ser personalizados a cada consulta”, explica o diretor comercial da empresa, Fred Ferraz.

A Elaw é uma das principais empresas de sistemas para departamentos jurídicos. Utiliza um sistema customizado para melhorar a rotina dos clientes. Para esta edição a empresa trouxe dois novos produtos baseados em Inteligência Artificial: Análise de Movimentações e Análise de Contratos.

Segundo o gerente de Delivery Care da empresa, Daniel Rufino, a feira é um dos principais termômetros mercadológicos para a Elaw. “É aqui que sentimos o cliente, o que ele busca, quais as prospecções para o próximo ano. A Fenalaw é de extrema importância para nós, tanto que é a nossa terceira participação no evento”.   

A Legal Manager nasceu praticamente junto com a Fenalaw e está na feira desde a primeira edição. O sócio-diretor da empresa, Claudio Wilberg, explica que a Legal atende com seus sistemas escritórios e departamentos jurídicos de pequeno à grande porte. A empresa trouxe este ano novas versões do LegalManager (para escritórios de advocacia) e do LegalManagerDJ (para departamentos jurídicos). Ambos com nova interface e recursos de integração com Diários Oficiais e leitura de andamentos em Tribunais, com seus respectivos fluxos de trabalho, além de novos serviços de saneamento de base de dados de processos e aplicação de regras de negócios para auxiliar a equipe jurídica na tomada de decisão.


Wilberg avalia a feira como uma excelente plataforma de relacionamento e vendas. “Nosso estande está bastante movimentado e eu tenho visto visitas muito qualificadas. O primeiro dia de Fenalaw está muito positivo”. 

A Thompson Reuters trouxe para o evento as últimas versões do seu principal produto, o Legal One. Além disso, a empresa investiu também em palestras e exibições no estande através da ampliação da plataforma de parceiros. Microsoft, Juristec, Future Law e Relevo são algumas das marcas que marcam presença nesta parceria com a Thompson Reuters. 

O líder de Ligal da companhia na América Latina, José Dominguez, destacou que adora a Fenalaw por sua qualidade em reunir profissionais de diferentes regiões. “Aqui é um ponto de encontro jurídico, e eu me entusiasmo muito em mostrar nossos produtos para pessoas de cidades e estados diferentes. Hoje 90% das pessoas que atendi não são de São Paulo”, disse. 


Lançamento de livros durante os três dias de Fenalaw
Na Vila do Conhecimento da Fenalaw acontece o lançamento de livros voltados setor jurídico nos três dias de evento. Nesta terça (23), a advogada Ísis Passos Fontenele apresenta o livro “Gestão da Cultura na Advocacia - Mudanças , Ações Eficazes e Espírito Empreendedor”. O conteúdo aborda a adoção de práticas de gestão da cultura organizacional como o ponto chave para o sucesso. 

A Ísis Fontenele é CEO da Performance Juris, presidente da Comissão Especial de Inovação e Gestão da OAB-GO e coordenadora nacional do MBA de Gestão Jurídica do IPOG.

 

Destaques do segundo dia
Aberto hoje o Seminário de Direito Público e Regulatório é novidade da programação de conteúdo da Fenalaw. Amanhã (24), o Seminário irá discutir a regulação nos novos modelos de concessões de rodovias, a privatização de portos, em especial o de Santos, e o setor de infraestrutura aeroportuária no Brasil. 


Entre os participantes confirmados nos painéis estão o secretário Nacional de Portos e Transporte Aquaviário, Diogo Piloni e Silva; o diretor da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Davi Barreto; a Gerente Jurídico Rodovias do Grupo Invepar, Flávia Franco; o Chefe da Assessoria Especial de Assuntos Institucionais e Internacionais, Ministério da Infraestrutura, Gustavo Sabóia; o Procurador-Geral da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), Gustavo Albuquerque e a diretora Jurídica do Aeroporto de Guarulhos, Flavia Soto.
 

Também, na parte de conteúdo, começa a Conferência Internacional Governança da Informação, realizada em parceria com a Graciotti empresarial, a partir das 8h50. E o Seminário de Agronegócio, que irá apresentar debates sobre os aspectos Internacionais relacionados ao Acordo da União Europeia x Mercosul e a guerra comercial entre China e Estados Unidos e o impacto  da Reforma Tributária no agronegócio. 
 

A feira de negócios continua com diversas inovações em produtos, serviços e tecnologias para a dinâmica de escritórios de advocacia e departamentos jurídicos. No espaço de exposição é possível acompanhar as Fenatalks, das 9 às 18 horas, palestras gratuitas que podem ser acessadas por todos os visitantes e a Vila do Conhecimento, onde serão lançados livros do segmento jurídico. 

 


Sobre a Fenalaw
A Fenalaw é a maior plataforma de conteúdo e de negócios jurídicos da América Latina, consagrada como o principal encontro de departamentos jurídicos e escritórios de advocacia do País. Na edição de 2018, o evento reuniu 5.260 congressistas e visitantes qualificados, 280 palestrantes e 70 marcas expositoras. O evento é organizado pelo Informa Markets.


Sobre a Informa Markets
A Informa Markets cria plataformas para indústrias e mercados especializados para fazer negócios, inovar e crescer. Nosso portfólio global é composto por mais de 550 eventos e marcas internacionais, sendo mais de 30 no Brasil, em mercados como Saúde e Nutrição, Infraestrutura, Construção, Alimentos e Bebidas, Agronegócio, Tecnologia e Telecom, Metal Mecânico, entre outros. Oferecemos aos clientes e parceiros em todo o mundo oportunidades de networking, de viver experiências e de fazer negócios por meio de feiras e eventos presenciais, conteúdo digital especializado e soluções de inteligência de mercado, construindo uma jornada de relacionamento e negócios entre empresas e mercados 365 dias por ano.


Atendimento à Imprensa:
Arucha Fernandes - arucha@conteudoempresarial.com.br (13) 9 9768-3476 - Skype: conteudo.empresarial
Valeria Bursztein - valeria@conteudoempresarial.com.br (11) 9 9104-2031 - Skype: vbursztein